“Ki Mona Mesu” ou, as histórias consideradas verdadeiras, é um projecto conjunto dos artistas angolanos José da Silva Pinto, fotografia e Mário Tendinha, pintura e instalação.

Pretendem os artistas, trazer ao público um tema global, actual e violento mas eminentemente humano, porquanto encerra manifestações de grande sofrimento físico e psíquico, individual e para a sociedade, que tem a ver com a problemática da guerra, das minas e suas consequências nos seres humanos.

O nosso país viveu uma guerra devastadora e neste ponto, as minas vitimaram milhares de homens, mulheres e crianças e deixou outros tantos com sequelas dolorosas para sempre.

O Fotógrafo José da Silva Pinto, esteve na oficina de próteses da Bomba Alta na cidade do Huambo, projecto inicialmente apoiado pela Princesa Diana, e fotografou algumas das próteses, já muito usadas e abandonadas, por essas vítimas da guerra e das minas.

A esses homens, mulheres e crianças, queremos com este projecto homenageá-los, deixar uma mensagem solidária, manter vivas as imagens desse sofrimento, para que os HOMENS não se esqueçam das agruras da guerra e das minas, deixar viva a memória desse horror, para que nunca mais tenhamos de viver momentos tão sofridos.

Deixar desta forma um apelo, para que vivamos irmanados nos ideais da PAZ.

Querem os artistas dizer também, com esta exposição, que não vale a pena tapar o sol com a peneira, tenhamos a coragem suficiente para manter vivas estas imagens para os continuadores deste fantástico país, para que nunca, ninguém esqueça o que aconteceu e se dê a esses milhares de seres humanos as condições de uma vida digna.

No presente e no futuro, que haja esperança e coragem para os incluir e dar voz às suas vozes, que integrem a sociedade plenamente e que a esperança não morra.

A EXPOSIÇÃO

“Ki Mona Mesu” teve um conjunto de obras de José da Silva Pinto, fotografadas na cidade do Huambo (Bomba Alta), no centro de fabrico de próteses para os amputados pelas minas.

Junto a cada fotografia, esteve uma obra de pintura do pintor Mário Tendinha, a partir da fotografia homóloga, na tentativa de desconstuir a dureza da fotografia, num convívio directo, provocatório, paralelo como se em diálogo.

Pelo facto das fotografias mostrarem imagens dolorosas, pretende-se que, com a pintura, se consiga dar um sinal de esperança, de continuação e reconstrução da vida e da sociedade, de com vontade férrea de vencer e ultrapassar obstáculos, com alegria, humor, como um todo nesta sociedade em construção.

Encimando as pinturas e fotografias foi montada uma instalação, que geriu a catarse do tema e que fará a ligação do público a uma realidade figurativa.

LOCAL E DATA

“Ki Mona Mesu” foi inaugurada no Centro Camões em Luanda e decorreu de 26 de Março a 10 de Abril de 2015

INSTITUCIONAL

Os artistas convidam as Entidades Oficiais como Ministério da Defesa Nacional, Chefe do Estado Maior General das FAA, Instituto Nacional de Desminagem, Ministério dos Antigos Combatentes, Associação dos Antigos Combatentes, Associação dos Deficientes das Forças Armadas a juntarem-se a este projecto como Patrocinadores Oficiais e Institucionais

Contacto Telefonico

(+244) 930 340 168

Horários Galeria

Terça a Sexta-feira das 10h00 – 18h00 Sábados, Domingos e Feriados 10h00 – 18h00

Newsletter

Subscreve a nossa newsletter e recebe todas as novidades e ofertas exclusivas. Não enviamos spam.